seja bem vindo! sair Faça seu login ou cadastre-se

(11) 3284-6818 Central de Atendimento
19/11/2019

Um olho no clima e outro no plantio

Como o uso de uma estação meteorológica pode oferecer vantagens na hora do plantio? Nesta nota de hoje, fique por dentro sobre como o comportamento do clima em anos anteriores e sua análise, podem ajudar na tomada de decisão!

Ao lado do solo, da genética, das pragas, das doenças e plantas daninhas, o clima é um fator determinante para a formação da produção das culturas e pastagens. No entanto, diferente dos demais, ele é um dos mais difíceis de serem interpretados e previstos, já que a atmosfera (o foco principal da climatologia e da meteorologia) muda constantemente e, a cada mudança, as plantas tem uma resposta específica.

Para cada cultivo implantado a campo e, especificamente para cada fase de desenvolvimento deste, há um nível específico de exigência quanto à temperatura do ar, radiação solar e chuva, onde excesso ou falta desses fatores abióticos impacta em maior ou menor grau na produção.

No caso da cultura da soja, por exemplo, a sensibilidade em relação a falta de água em diferentes fases fenológicas explica as janelas de semeadura utilizadas nas diferentes regiões do Brasil, visando uma distribuição adequada da chuva ao longo do ciclo da cultura. A falta de água afeta diretamente o rendimento final, portanto, é comum a ocorrência de anos onde a semeadura teve que ser atrasada numa dada região por falta de chuvas, ou adiantada para evitar a ocorrência de chuvas durante a época de colheita, a qual seria inviabilizada.

A partir de um banco de dados climáticos é possível visualizar um padrão no comportamento do clima ao longo dos anos e utilizar essa informação para a tomada de decisão na operação da empresa. Tais dados são disponibilizados em estações meteorológicas automáticas ou convencionais, porém há uma falha na distribuição atual de estações meteorológicas no país. Além disso, em muitas situações os dados disponibilizados para utilização são referentes a estações meteorológicas muito distantes das propriedades, não sendo representativos para a região de interesse, daí a importância da aquisição de uma estação meteorológica na propriedade.

Em sistemas irrigados a estação meteorológica é ainda mais importante pela possibilidade de manejo da água a ser aplicada com base nos dados climáticos, adequando a irrigação, garantindo melhor uso dos recursos hídricos disponíveis e menor custo com a operação, além de eliminar a influência da falta de disponibilidade hídrica no desenvolvimento da cultura, sendo, portanto, possível atingir valore mais altos de produtividade.

Stephanie do Carmo

Estudante de Engenharia Agronômica – 10º Semestre

Coordenadora dos alunos de graduação do Grupo de Experimentação e Pesquisa em Modelagem Agrícola
Departamento de Engenharia de Biossistemas da ESALQ
Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo.